Algoritmos estão por toda parte

Algoritmos começam a se espalhar praticamente em todos os lugares, de hospitais e escolas a tribunais. Estamos cercados por automação autônoma. Linhas de código podem nos dizer o que observar, quem datar e até quem deve o sistema de justiça enviar para a cadeia.
algoritmos_post

A Inteligência Artificial começa a prever cada vez mais como responderemos a um e-mail, antecipar resultados eleitorais, quais serviços governamentais são elegíveis, avaliar o desempenho de colaboradores, entre outras diversas tarefas multidisciplinares seja qual for, para quem for.

Algumas companhias têm alimentado seus respectivos algoritmos com os dados coletados e estão instruindo a IA a usar essas informações coletadas para se adaptar às nossas necessidades e ser mais como nós. No entanto, à medida que nos acostumamos com esses recursos úteis, estamos falando e nos comportando mais como um computador? A resposta é simples e objetiva – não. Porém, a principal questão em relação aos algoritmos é quando eles se tornam tão grandes e complexos que começam a afetar negativamente nossa sociedade atual, colocando a democracia em perigo ou colocando cidadãos em medidas Orwellianas – situação, ideia ou condição social identificada como sendo destrutivo para o bem-estar de uma sociedade livre e aberta.

No mundo atual, constantemente preenchido com iminente montes de informações, peneirar-se por ele representa um enorme desafio para alguns indivíduos. A AI, usada com sabedoria, pode melhorar a experiência de alguém on-line ou ajudar a lidar, de maneira rápida, com as cargas cada vez maiores de conteúdo. No entanto, para funcionar corretamente, os algoritmos exigem dados precisos sobre o que está acontecendo no mundo real.

As empresas e os governos precisam garantir que os dados dos algoritmos não sejam tendenciosos ou imprecisos. Devemos ser extremamente cautelosos sobre o poder que damos aos algoritmos. Os receios estão aumentando em relação às questões de transparência que os algoritmos implicam e as implicações éticas por trás das decisões e processos feitos por eles e as conseqüências sociais que afetam as pessoas.

Algoritmos começam a se espalhar praticamente em todos os lugares, de hospitais e escolas a tribunais. Estamos cercados por automação autônoma. Linhas de código podem nos dizer o que observar, quem datar e até quem deve o sistema de justiça enviar para a cadeia.

Estamos cometendo um erro ao entregar tanta autoridade e controle de tomada de decisão a esses programas? Não. Somos obcecados com procedimentos matemáticos porque eles nos dão respostas rápidas e precisas a uma série de problemas complexos. Sendo assim, os sistemas de aprendizado de máquina foram implementados em quase todos os domínios da nossa sociedade moderna, porém não erramos ao entregar um controle maior a esses programas. Como os algoritmos estão afetando nossas vidas?Em um mundo em constante mudança, as máquinas estão fazendo um ótimo trabalho aprendendo como os humanos se comportam, o que gostamos e odiamos e o que é melhor para nós em um ritmo acelerado. Atualmente, estamos vivendo dentro das câmaras da tecnologia preditiva.

Algoritmos transformaram nossas vidas, classificando os dados de magnitude e nos dando resultados relevantes e instantâneos. Ao coletar grandes quantidades de dados, oferecemos às empresas e governos, ao longo dos anos, o poder de decidir o que é melhor para eles e – ao mesmo tempo – o que é melhor para a sociedade. Um algoritmo é, essencialmente, uma forma sem cérebro de fazer coisas inteligentes. É um conjunto de etapas precisas que não precisam de grande esforço mental para serem seguidas, mas que, se obedecidas exatamente e mecanicamente, levarão ao resultado desejado.  Porque, embora os algoritmos existam pelo menos desde o tempo dos babilônios, com a chegada dos computadores eles ganharam muito mais destaque. A união de máquinas e algoritmos é o que está mudando o mundo.

Related posts